Canal de atendimento atendimento@medaula.com.br
(31) 3245-5781 (31) 9 8882-9624
Rua Grão Pará, 737 Conjunto: 1101 - 11o andar, BH
CNPJ: 07.254.304/0001-24

LESÕES DOS TENDÕES FLEXORES

10 de agosto, 2021

Introdução à lesão dos tendões flexores

Os tendões flexores dos dedos e do punho se originam no antebraço e, à medida que se afastam de sua origem, posicionam-se em dois planos distintos ao nível do punho. No primeiro plano, partindo de ulnar para radial, temos os flexores superficiais do 3º e 4º dedos, os flexores superficiais do 2º e 5º dedos e, radialmente, o nervo mediano. No segundo plano, mais profundo, temos o flexor profundo dos dedos e o flexor longo do polegar. O flexor profundo se origina no terço médio do antebraço e se divide em 4 tendões distintos, no entanto, apenas o flexor profundo do 2º dedo é independente, uma vez que os demais são unidos por conexões.

É importante destacar que todas essas estruturas citadas anteriormente passam pelo túnel do carpo. Ao nível da articulação metacarpofalangeana, o flexor superficial se divide para penetração do flexor profundo, formando uma espécie de anel, onde o reencontro destas duas bandas do flexor superficial é chamado de Quiasma de Camper, com posterior inserção do flexor superficial da falange média.

As polias são formadas de tecido fibroso e cobrem a bainha sinovial do tendão flexor. As polias anulares são responsáveis pela manutenção da bainha do tendão próxima ao esqueleto, e as polias cruciformes sofrem expansão e contraem com o movimento. As polias A2 e A4 são indispensáveis, uma vez que estão sobre as diáfises das falanges proximal e média, respectivamente, mantendo estável a relação dos flexores com eixo do movimento.

Atenção!
Os tendões flexores dos 2º ao 5º dedo têm, cada um, 5 polias anulares, designadas pela letra A, das quais as polias A2 e A4 são as mais importantes biomecanicamente, devendo, portanto, ser reconstruídas quando lesadas. Já o polegar, apresenta 3 polias anulares, das quais a mais importante é a polia A2.

Os tendões flexores são divididos, anatomicamente, em Zonas Flexoras, de acordo com Verdan, sendo que o polegar possui uma nomenclatura diferente dos demais dedos.

Com relação aos dedos, a Zona 1 é aquela que parte da porção distal até o terço médio da falange média, incluindo a inserção do flexor profundo. A Zona 2, também conhecida como terra de ninguém por Bunnel, vai desde a polia A1 até a inserção do flexor superficial na falange média. A Zona 3 inclui toda região entre o túnel do carpo até a polia A1. A Zona 4 é aquela que compreende o túnel do carpo, e a Zona 5 é toda região proximal ao túnel do carpo.

Já no polegar, a Zona T1 é a região distal à articulação interfalangeana; a Zona T2 vai desde a região da polia anular até a articulação interfalangeana, e a Zona T3 compreende a região da eminência tênar. As Zona P4 e P5 são semelhantes às zonas dos dedos, sendo a região do túnel do carpo e a região proximal ao túnel do carpo, respectivamente.

Atenção! Questão recorrente nas provas do TARO e do TEOT!
Devemos conhecer as zonas de Verdan para lesão dos tendões da mão: tanto para os tendões flexores como para os extensores! Portanto, atente-se para estas zonas e não deixe de memorizar os limites de cada uma!


Quer ficar por dentro de todos os nossos conteúdos?